Nos bons tempos, quando minha avó ainda tinha consciência de quem era, onde estava e todos esses conceitos lineares de tempo e espaço, toda vez que eu não queria jantar - sempre achei 18:30h um horário sem sentido para a última refeição, sendo que ainda ficaria por no mínimo mais três horas acordada - e que jantaria mais tarde, em casa, ela dizia, as vezes com humor, outras com impaciência ''cão de dois donos morre de fome''.

Hoje eu entendo.
Definitivamente, não passo fome, pelo contrário, o que me preocupa é constantemente estar sem ela.
Mas me falta um lar.

Casa eu tenho duas, lugar para dormir, pelo menos uns quatro [minha cama de casa, a outra cama que virou minha por usucapião, e os sofás, que muito frequentemente são meus recantos de descanso e inconsciência, em especial as sextas-feiras, quando de cansada mergulho em meu sono tão rapidamente que nem a tv desligo...

Mas lar, sinto não ter nenhum.
O máximo é o aconchego do meu quarto, naqueles momentos em que permaneço nele por mais de dez minutos sem estar lá para pegar algum objeto ou dormindo.
Mas estes momentos são tão raros, mas tão raros, que somando o ultimo ano não chega a dar duas horas completas.


Ok, quem entrou nessa situação fui eu, com minhas pernas, de livre e espontânea vontade.
Mas se soubesse que chegaria a esse pé, teria optado por dormir neste outro quarto - que definitivamente só é meu em denominação - apenas nas datas comemorativas, Natal, Ano Novo, e sempre com aquele imenso esforço e preparação psicológica para pedir para meu pai.

Bons tempos, me remetem a infância.


Falando nela, segunda faz dez anos.
Será que é por isso que estou tão assim, jururu e de cara fechada?
Não sei, parece que por mais que eu não lembre exatamente a data no calendário, algo sempre me lembra.


E que falta me faz...
Certamente, ao seu lado eu tinha um lar.
Poderia estar aqui, debaixo de uma ponte, até em marte, mas eu teria segurança, e mais que isso, conforto.

Engraçado escrever para você... ainda mais para uma pessoa tão convicta que tudo acaba com o fim.
Eu queria encontrar a bendita fada azul, aquela do filme AI, para que por um dia eu pudesse passar só mais um dia com você.
E certamente, as coisas seriam melhores com você aqui.





 

2 comentários:

Line Grazielle disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Line Grazielle disse...

fe, sei como é pra vc...
principalmente pq, como vc sabe,perdi minha vó faz 3 anos.
E te digo...dói mtooo, chega a sufocar e realmente sinto mta falta de quando era pequena e minha familia tava mais unida[mesmo q não estivesse ''Tão'' unida assim)
mas te digo uma coisa...mesmo q não seja mais daquele jeito q era....temos q viver o presente...
curta sua avó o tempo q ela ainda estiver com vc.
pq todos dizem, mas é a pura verdade....vc vai sentir falta e até uma dor de não ter ficado mais tempo com ela, mesmo q vc passe 24 hrs com ela,nunca vai ser o suficiente...
pq como dizia a minha vó: vó é nossa segunda mãe!

te amooo s2